Quando eu decidi fazer o Criando Nossa Realidade, eu entendo muito como uma parte de todo meu processo. Não existiu um momento específico que fosse um clique, um sinal, o chamado.

Eu fui descobrindo aos poucos, fui tateando os ambientes, os cenários, os temas, as sugestões que existiam, o que podia sair de mim, o que era genuíno, e aí tudo foi acontecendo magicamente.

Quando comecei a selecionar as pessoas que gostaria de entrevistar, os primeiros pilares que olhei foi o alinhamento do discurso com a sua verdade interior. Coisas que não são vistas nem mensuradas a olho nu, mas que são sentidas. Eu estou apenas no comecinho da linda jornada do sentir. Mas me conectei com pessoas que vibram nessa frequência.

O Gustavo Tanaka foi uma delas. O texto que ele escreveu “há algo grandioso acontecendo no mundo” não viralizou à toa. O texto não tem nada de extraordinário no quesito: uau, isso nunca me passou pela cabeça. E é justamente aí que está o ponto. Ele verbalizou o que já existe dentro de nós. Tudo o que ele sentiu e deixou fluir naquele texto, foi com uma verdade interior tão absoluta que transcendeu a leitura. Passou para o estágio advanced, que é o do coração. O do sentir. E por isso quando nós o lemos, nós deixamos aflorar o nosso próprio sentimento que ele deu voz naquelas palavras.

Em seu livro, 11 dias de despertar, ele fala muito do medo e da relação com ele. Em nossa conversa, o medo pareceu algo tão simples, que até poderia ter outro nome. Se você tem medo de barata, que tal pegar uma barata na mão e sentir a barata pra ver como fica sua relação com ela? Se você tem medo de fracassar na sua decisão, que tal você fracassar pra sentir essa emoção e ver como você lida com ela?

Por que não?

O que eu tenho experienciado pessoalmente é que a gente tem medo do novo. Sempre foi colocado na nossa cabeça que é melhor seguir o caminho que alguém já seguiu, é melhor ficar de boa que o novo pode ser perigoso. É verdade, pode ser. Mas pode não ser também. E por que você fica com a escolha do não? Quem te falou que não ir ou não fazer algo é melhor do que ficar?

Sua mente.

Sua mente, tadinha, é uma criança medrosa. É uma condição que nós deixamos acontecer dentro de nós e a forma como ela encontrou de nos paralisar para ela achar que tem algum controle, é pelo medo. E ela faz muito bem o seu papel.

Acontece que quando a gente vai ganhando a tal da consciência, que é cada vez mais presença no agora, as coisas vão se clareando. Vai dando mais medo ainda, porque a mente começa a se sentir saindo do controle, e pra ela é desesperador (alguma identificação? Viu como a gente age praticamente com a mente, na ilusão que temos algum controle?). É tão desesperador que ela vai tentar todas as paralisações possíveis.

Mas se você fica presente no momento, no momento do sentir, pode acontecer coisas belíssimas, como aconteceu o 11 dias de despertar do Tanaka. Ele estava tão entregue no sentir de sua dor, de sua incapacidade de controlar o que quer que fosse, que pôde acessar algo lindo e maravilhoso dentro da sua própria essência. Ele fez as perguntas que todos nós queremos fazer, e ele mesmo respondeu. Ele acessou tão lá dentro, tão lá no fundo, tão entregue e tão presente, que saiu essa beleza de livro.

Normalmente nosso medo do medo é sempre maior do que a realidade. Depois de enfrentado, sempre parece que foi menos do que a gente imaginava. Não parece?  Olha as coisas lindas que nós podemos acessar enfrentando o medo. Um ato de CORAGEM e CONFIANÇA. A gente tem mais medo de ser feliz do que fracassar, na real.

Vale a pena ler o livro, vale a pena assistir a minha entrevista com ele (no link abaixo), vale a pena conhecer esse cara. Porque como diria nosso Guimarães Rosa, “é junto dos bão que a gente fica mió”.

E sim, nós precisamos estar juntos, nós é que estamos mudando a frequência do planeta. Não foge não. Seu despertar faz-se necessário para a sua evolução, para a minha evolução e para o despertar da humanidade. Estamos juntos 😉

 

Link para assistir minha palestra com ele: http://evento.criandonossarealidade.com.br/quero-assistir-a-palestra/